segunda-feira, janeiro 28, 2013

Super Sentai Series-Shin Bangumi Tokubetsu Premiere Happyôkai Gaburincho! Jûden Sentai Kyoryuger

PhotobucketPhotobucket
Ontem, dia 27, fui com os amigos Kiyoshi e Leandro no evento Premiere da 37a série Super Sentai, Jûden Sentai Kyoryuger, realizado no Tokyo Dome City Prism Hall. Não sei a partir de que ano começaram essas premieres, que costuma reunir o elenco da série vigente com a nova série, mas sempre é realizado na última semana de janeiro, em quatro a cinco horários ao dia. Esta é a segunda vez que eu vou (ano passado fui na do Go-Busters), então, já conhecia todo o esquema. Sem contar que, eu já estava por dentro de algumas informações, então, nem mesmo o nome abrasileirado do tema de abertura, "VAMOLA", me causou espanto (fora a dancinha de samba, na hora da transformação). Muita gente pensa que, ao falar premiere, é a exibição do primeiro episódio antecipadamente. Mas não é nesse sentido, e sim a apresentação do elenco, de alguns vídeos, e do live da abertura, cantado por Shôgo Kamada (Kamashô, como é chamado). Depois tem a entrada do elenco de Go-Busters, para haver a cerimônia de entrega do buquê de flores, entre os Reds (Kyoryu Red para o Red Buster). Infelizmente, para se poupar pelo cansaço, o Hiroya Matsumoto (Masato Jin/Beet Buster) não compareceu, pois no mesmo dia havia as apresentações do último stage dos Go-Busters, no G-Rosso.
O nosso horário era o das 10h10, com entrada 20 minutos antes. Quem tinha ticket antecipado, ganhava um jûdenchi especial (os gadjets de Kyoryuger) e um poster. O stage em si, durou menos do que eu esperava, cerca de 30 minutos. Teve uma prévia da dancinha do encerramento, tema cantado pelo Hideaki Takatori. Mas no geral, pelo todo que deu pra perceber, vai ser uma série cômica, pra "desespero" de muita gente. O red faz o tipo empolgado, e tem a cara do "Philip". O black é o galanteador, e pelo nome Ian Yorkland, o personagem não parece ser japonês. O blue é o piadista (com piadas de velho), e um cabelo que lembra o do Jaspion! O green é o "cool" da equipe, o que é raro para a cor verde. Lembra o Kengo, de Kamen Rider Fourze. E a pink, hum, nem sei o que comentar, ainda não sei qual o comportamento. Mas agora, o porquê dessa influência brasileira em Kyoryuger, não faço a menor idéia. Prefiro esperar estrear, pra comentar mais a respeito. Na saída, eu comprei o jornalzninho do Kyoryuger Press (¥300), a primeira publicação da série, e com entrevista com o elenco. Antes de entrar, eu já tinha levado o Clear File duplo (¥500), exclusivo do evento. Clique aqui para ver a frente e o verso. Acho que vou fazer isso todo ano, ir na premiere, e comprar esses itens.
Saindo do Prism Hall, fomos passar o tempo no Game Center da SEGA, em frente ao G-Rosso, e por volta do meio-dia, me encontrei com a amiga japonesa de facebook, Izumi Cho, apresentei para o Kiyoshi e o Leandro, e fomos almoçar em algum lugar sugerido por ela. Queríamos evitar fastfoods (McDonald's, Sukiya etc), e pegar um lugar mais de nível, pela ocasião, mas como estávamos em quatro, a opção era escolher um lugar que tivessa mesa para todos. Escolhemos o BaseballCafe, onde já tinha ido ano passado, na colaboração com o Lucky Star. O legal desse estabelecimento é o visual americanizado, e com a garçonetes vestidas de uniforme de baseball. Mas em contrapartida, o menu é caro, o prato mais barato sai por ¥1350, e bebida por ¥460. Ficamos conversando por cerca de uma hora sobre tokusatsu.
Depois, como já estava no horário da Izumi assistir a premiere (14h10), voltamos ao Prism Hall, e lá eu encontrei um outro amigo de facebook, Satoshi Kishimoto, que também assistiria na mesma sessão. Aliás, havíamos nos conhecido nesse dia mesmo. Tinhamos ficado amigo pelo facebook, uns três dias antes. Pena que, não deu pra conversarmos muito, pois já estava no horário dele entrar. Nos despedimos dos dois, Izumi e Satoshi, e fomos passar o tempo em Akihabara, como é de costume.
Em Akihabara, fizemos as compras necessárias (depois eu mostro o que arrematei), e fomos lanchar no CoCo Ichibanya, sem dúvida, o melhor estabelecimento de curry. E inclusive, pela primeira vez, estava vazio, apenas com nós três no estabelecimento. Pra variar pouco, peguei Sausage Curry (¥700), pote de Shrimp&Potato (¥300) e um copo de Ice Milk (¥150). Sorte que, enquanto estávamos lá no CoCo, jogando conversa fora, o Satoshi acabou pintando em Akihabara, e fomos jogar mais conversa fora (em quatro), brindando a nova amizade no Juice Bar, na Yodobashi Camera).
PhotobucketPhotobucket
P.S.: Como eu esqueci de levar a câmera, tirei poucas fotos com o celular. O resto, vou esperar pelas fotos do Kiyoshi e do Leandro.

3 Comments:

At segunda-feira, janeiro 28, 2013 5:40:00 PM, Blogger Spider-Phoenix said...

Lembro de ter lido algumas especulações de que o "lado brasileiro" da série teria sido inspirado por causa da copa (que vai ocorrer ano que vem) e das olimpiadas. Uma teoria razoável IMHO.

 
At quarta-feira, janeiro 30, 2013 12:02:00 PM, Blogger Michel said...

Isso pode ser interessante, mas vamos ver até que ponto vão mesmo essas referências ao Brasil, ou se vai se estender a outros países sulamericanos. Afinal, tem trecho em espanhol na música.

 
At quinta-feira, janeiro 31, 2013 5:05:00 AM, Blogger Spider-Phoenix said...

Michel - Considerando a forma como somos estereotipados lá fora, não me surpreenderia se o uso do espanhol fosse com a intenção de referenciar ao Brasil rsrsrs.

Um exemplo bem simples: na época em que o Brasil exibiu o final de Power Rangers Super Samurai, no Rangerboard ficaram se referindo aos episódios brasileiros como espanhóis e ficavam chamando a Nick BR de "Nick da América Latina".

Quanto a questão da série ter um enfoque mais comico, isso não me incomoda nem um pouco. Pra mim não é demérito nenhum tanto em termos de histórias como composição da série em geral.

Abraços!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home