quarta-feira, julho 25, 2012

Ookami Kodomo AME & YUKI (Comentários)

No domingo, dia 22, fui conferir o filme Ookami Kodomo no Ame to Yuki, do renomado diretor Mamoru Hosoda, que havia estreado no sábado. Cheguei em Ikebukuro exatamente às 8h09, passei num FamilyMart pra enganar o estômago com pão e café, e fui para a bilheteria do cinema Ikebukuro HUMAX Cinemas, que abriu às 8h30. Este era o último dos quatro cinemas de Ikebukuro, que eu não havia entrado ainda. E o interessante dele é que, durante a semana (segunda a sexta) e na primeira sessão de sábado/domingo, todos os assentos são livres. Consegui pegar um ótimo lugar (de 483 assentos), “larguei” a minha mochila e fui comprar os goods. Levei apenas o panfleto (¥700) e o set de clearfolder (¥525). O filme começou às 9h00 e terminou às 11h05. Um filme emocionante, mas menos dramático do que eu imaginava. Pensei que haveria situações de preconceito e tal, pelas crianças (Yuki e Ame) serem diferentes das outras, mas nem chegou a existir esse argumento, pois o fato delas serem meio-lobos era um segredo. O filme é narrado pela filha mais velha, Yuki, que conta como a sua mãe, Hana, conheceu o “Ookami Otoko” (Homem Lobo, já que o nome dele não é retratado na obra), e de que forma os filhos foram criados, durante 13 anos. A narrativa é rápida, sem desenvolver muito os personagens. Hana conhece o parceiro na faculdade, embora ele não seja aluno de lá (assistia as aulas de penetra). Ambos se apaixonam, ele revela a identidade, como último remanescente de uma raça de homem-lobo, se casam, tem a primeira filha, Yuki (nascida num dia de neve) e um ano depois, o filho Ame (nascido num dia de chuva). Mas o marido acaba morrendo misteriosamente, não sendo revelado a causa. Apenas o seu corpo, na forma de lobo, foi encontrado e simplesmente jogado num caminhão de coleta de lixo. Daí começa o drama, em criar os filhos sozinha. Pra isso, ela decide se mudar para o interior, longe da sociedade, longe do olhar das pessoas. Yuki é sapeca e agitada, e sempre vive alternando as formas de lobo e humano, conforme seu emocional. Sempre de nariz empinado, tão valente quanto os animais da floresta. Em contraparte, Ame é medroso e fraco, e não gosta de ser lobo, pelo fato do animal sempre ser retratado como mau, nas histórias infantis. Mas tudo isso muda, depois que ambos começam a frequentar a escola. Yuki decide querer ser mais próxima do comportamento de suas amigas, e aos poucos, abandona seu lado rebelde. Ame não se adapta a vida escolar, e abandona o colégio, passando a frequentar uma montanha, em busca dos ensinamentos da vida selvagem, de uma velha raposa (sensei). Viver como ser humano ou lobo? Este é a escolha que ambos terão que fazer, mas não vou contar mais do que isso, pra não tirar a surpresa!
PhotobucketPhotobucket

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home