quarta-feira, dezembro 21, 2011

OVA Rurouni Kenshin –Meiji Kenkaku Romantan- Shin Kyoto Hen [Homura no Ori]

Bom, esta semana anda muito corrida, com duas horas extras por dia, mas vou ver se consigo atualizar o blog vez ou outra. Como eu havia comentado na postagem anterior, no sábado fui assistir a estréia do novo OVA do Rurouni Kenshin, em comemoraçãoaos 15 anos do anime. Cheguei por volta das 11h38, em Ikebukuro, e como ainda tinha muito tempo para a exibição, às 14h30, fui gastar o tempo no Namco•Namjatown, pra arrematar os dois pratos que faltavam do K-ON!. Depois eu continuarei a postagem do K-ON! in Namco•Namjatown. Por volta das 13hs, me encontrei com o Leandro, e fomos ao cinema. Uma coisa que me chamou a atenção, é que no painel de horários, constava que o anime teria apenas 30 minutos! Puxa, já ia ficar decepcionado, ter que pagar ¥1615, por meia-hora, sendo que no site do cinema constava como 45 minutos, mais 5 de comerciais. Mas felizmente, teve 45 mesmo! Aliás, a respeito dos trailers mostrados antes do filme, começou a ser exibido o da versão em live action, com o Takeru Satô, filme que estreará em 25 de agosto, e que obviamente eu vou assistir! Bem, antes de entrar na sala de exibição, resolvi comprar algum item do Kenshin, e levei esse Shitajiki (¥263). Infelizmente, como não se tratava de um autêntico filme, não havia a venda do panfleto, e nem itens exclusivos do OVA.
Comentários do OVA: Atenção, contém spoilers da história! Pra começar, a primeira coisa que posso dizer, muita informação pra pouquíssimo tempo! Sim, eles conseguiram a proeza de resumir parte dos 31 episódios da fase Kyoto (31~61) em meros 45 minutos! Pra se situar bem na história, é preciso ter assistido a série de TV, mais precisamente, ou ter lido o manga. A trama já começa com a parte em que a Misao Makimachi persegue o Kenshin, para descobrir o paradeiro do Aoshi Shinomori. Ah, aí entra um fator interessante, o OVA em si é contado pela visão da Misao! As lutas ficaram extremamente curtas, o que eu chamaria de “Ippatsu Shôbu” (Desafio em um único lance), só dá tempo do Kenshin sacar a espada da baínha e definir. O genuíno “Battô-jutsu”...rsrsrs! Toda aquela divagação filosófica durante as lutas foram cortadas, e boa parte do desenvolvimento também foi modificado. Por exemplo, é o próprio Makoto Shishio que dá um fim no Usui Uonuma (que aspirava a cabeça do Shishio), eliminando assim a batalha com o Hajime Saitô, como na série de TV. Kenshin tem a “sakabattô” (espada com lâmina invertida) quebrada na luta contra o Sôjirô Seta, e ganha uma nova espada de Seikû Arai, após derrotar o Jôchô Sawage (Juppon-Gatana). Nada tão diferente da série de TV. Apenas no final do OVA, o encontro de Kenshin com a Kaoru é antecipado, antes mesmo do confronto com o Makoto Shishio.
Particularmente, acho os diálogos de Rurouni Kenshin muito complexos, e é preciso ter um bom nihongo, pra não deixar muita coisa passar batida. O OVA ficou muito sério, sem muitas piadas, e se eu reparei bem, Kenshin não falou nenhuma vez o seu tradicional “Oro”! A respeito do novo character design, de Hiromitsu Hagiwara, eu não achei ruim, embora eu prefira o da série de TV. Mas pelo menos toda a animação foi refeita, sem utilizar cenas antigas.As vozes também eu não senti diferença, apesar dos 15 anos. A única mudança foi o Hajime Saitô, interpretado pelo Ken Narita (fez a voz do Sesshômaru, em Inuyasha), já que o dublador original, Hirotaka Suzuoki, faleceu em 2006. Destaque para o tema de encerramento, “Nanairo no Kaze” (Vento de Sete Cores), interpretado pela novata Rina Sumioka, que na verdade, é uma das BGMs da série de TV adaptado com letras.
Cumprimento de Palco: Após a exibição do OVA, por volta das 15h25 teve o aguardado cumprimento de palco com o diretor Kazuhiro Furuhashi e o dublador do Makoto Shishio, Masanori Ikeda. Além deles, também subiu ao palco a produtora Ai Abe. A conversa estava meio morna, principalmente por parte do diretor, que parecia meio tímido...rsrsrs! Daí a produtora e o dublador é que ditaram o rítmo da conversa. Ikeda pediu a produtora que aumentasse as “cenas de cama” (transa com a Yumi Komagata) para a segunda parte, e prometeu que desta vez, ele iria derrotar o Kenshin. Aliás, não só o Kenshin, mas o Saitô e o Shinomori também! Abe contou que a mudança do character design foi para dar um clima mais atual para a obra, daí a escolha do Hagiwara, com quem ela trabalhou na série Jigoku Shôjo. Os dois aproveitaram pra tirar um sarrinho do Furuhashi, que por ter compromisso, acabou vindo de sandálias (nesse frio), e pra não pegar mal, parece que acabaram comprando um sapato pra ele. Ikeda demonstrou um grande apego pelo personagem, que inclusive, foi seu primeiro papel na dublagem (originalmente, Masanori Ikeda era cantor).

Em tempo, o BD/DVD sai no dia 21 de março de 2012, respectivamente por ¥6615 e ¥5565. A conclusão da segunda parte está prevista para o verão. E devido ao sucesso da estréia, a exibição, que estava prevista para apenas uma semana, foi prorrogada até dia 6 de janeiro. Bem, espero conseguir assistir a segunda parte também no cinema.

2 Comments:

At quarta-feira, dezembro 21, 2011 4:14:00 AM, Blogger Bruno Seidel said...

Enquanto isso, sigo aguardando ansiosamente pela filme em live action do Kenshin! Este promete!!!

 
At terça-feira, dezembro 27, 2011 12:48:00 AM, Blogger Michel said...

Todos nós, Bruno! Quem não gostava do Takeru Satô, pode torcer o nariz...rsrsrs!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home